Temos visto ultimamente várias publicações de autores na sua grande maioria ateus e céticos, com textos, livros, sites e revistas criticando Deus por sua posição “violenta” no Antigo Testamento.
Alguns até ousam afirmar que o Deus do Antigo Testamento não é o mesmo do Novo Testamento devido à posição e personalidade aparentemente diferentes.
Bom! Ateus e céticos falam e escrevem muitas coisas, mas praticamente tudo que escrevem ou discutem é completamente fora de contexto no que diz respeito à fé ou a Deus!
Estes escritos ateístas são PRODUZIDOS para minar a fé de muitos e construídos com o intuito de combaterem a existência coerente de um Deus, principalmente o Deus dos cristãos. Geralmente já partem da premissa de que Deus é uma fraude e por isso se atêm a qualquer texto sem nenhum contexto ou explicação.
Isto de forma alguma me surpreende ou me entristece. Pois como cristãos estudiosos dos textos bíblicos já sabíamos que tal coisa precisava ocorrer.
O que nos decepciona é ver pessoas que se deixam levar por estas colocações e parecem ter sua fé levada por qualquer vento de conhecimento, se é que se podem chamar tais publicações de conhecimento, pois eles nos acusam de sermos tendenciosos quando escrevemos sobre Deus, quando na verdade os textos ateístas é que são tendenciosos já que falam de algo que nem mesmo eles conhecem ou se aprofundaram. Acho muito contraditório um ateu ou cético vir falar de um ser que nem mesmo crêem que exista.
O Espírito diz claramente que nos últimos tempos alguns abandonarão a fé e seguirão espíritos enganadores e doutrinas de demônios. (1 Timóteo 4.1)
Doutrinas são ensinamentos, fundamentos, princípios e alguns estão nestes últimos dias se deixando levar por estes fundamentos, porque não se esforçam para buscarem o mínimo de conhecimento de Deus.
A própria Bíblia menciona que o povo de Deus perece por lhes faltar o conhecimento(Oséias 4:6). Este fator está levando pessoas a se desviarem de sua fé por serem preguiçosas e incapazes de ao menos tentarem entender as coisas de Deus.
Não quero, porém gastar nosso tempo neste artigo falando sobre o ateísmo ou ceticismo, embora isto seja basicamente inevitável dada à natureza de nosso texto!
Pretendemos discutir de forma clara a posição de Deus no A.T e responder esta pergunta medíocre feita por ateus e céticos “Se Deus é amor porque ele mata?”
Queremos deixar claro que fazemos isto apenas para esclarecer aqueles que por descuido se deixaram enveredar por estas dúvidas primárias e podem estar com sua crença em conflito devido algumas perguntas deste tipo.
Este artigo não é para ateus! Não pretendemos perder tempo com discussões tolas sobre Deísmo! Nossa fé está consolidada naquilo que conhecemos e experimentamos tanto espiritualmente como no próprio mundo natural. Portanto sigam os ateus suas ideologias e nos poupem de sua militância “religiosa!”
Deus matou por causa do pecado.
Iniciando este assunto é preciso deixar claro que Deus não sente prazer em matar. E sabemos pelas Escrituras sagradas que isto é mandamento.
* Êxodo 20:13 “Não Matarás”
* Levítico 24:17 “Quem matar alguém, será morto”
Então por que Deus matou?
A primeira morte registrada na Bíblia é a de um cordeiro imolado pelo próprio Deus para fazer vestes para Adão e Eva (Gêneses 3,21) que haviam enxergado que estavam nus, pois tinham comido da árvore proibida induzidos por Satanás.
Logo a primeira morte mencionada, o primeiro derramamento de sangue foi conseqüência do pecado de Adão e Eva.
Nisto temos um modelo do próprio Cristo que seria o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo através de sua própria morte.
A conseqüência do pecado é a morte e este pecado nunca é culpa de Deus e sim do próprio homem
Porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus nosso Senhor. (Romanos 6:23)
Temos que ter em mente que o pecado é o culpado da morte, de maneira que os que acusam Deus de assassino deveriam culpar suas próprias transgressões às Leis divinas.
Por que, pois, se queixa o homem vivente? Queixe-se cada um dos seus próprios pecados (Lamentações 3.39)
Mas este tópico nos lança uma gama de outras perguntas que ateus e céticos adoram fazer das quais listarei algumas a seguir no que se refere a pecado.
1 – Se Deus já sabia que o homem pecaria por que o criou?
2 – Se Deus odeia tanto o pecado por que nossa própria natureza é pecadora?
3 – Por que o pecado é punido com a morte e o inferno? É Deus sádico e cruel?
Costumamos ouvir muito estas interrogações que por sua vez vem sempre de pessoas e indivíduos que na grande maioria jamais estudaram a Bíblia e conheceram o contexto histórico dela, pois se aprofundando nestes dois pontos, perguntas como estas seriam facilmente respondidas.
Nos tópicos seguintes discutiremos e explicaremos mais detalhadamente estas questões.
Entendendo a questão do pecado

Percebemos que muitas pessoas ainda não entendem a questão do pecado, não conseguem compreender porque as regras de Deus parecem ser tão rígidas e difíceis de serem obedecidas. Há aqueles que afirmam que isto é fanatismo e beira a loucura, mas se olharmos com bastante atenção o conceito moral de Deus é bem mais justo do que o dos homens.

Para chegarmos a esta conclusão e podermos entender porque Deus em alguns momentos matou e em outros ele parece ser cruel, gostaria de levantar algumas questões sobre o pecado que é a raiz de toda esta dúvida a respeito do amor, justiça e santidade de Deus.
O pecado sempre nos ofende mais do que ao próprio Deus 
Se pararmos para pensar sobre aquilo que Deus considera pecado e nos proíbe vemos que estas coisas mais dizem respeito a nós do que a Deus.
Deus não quer que o homem minta, se prostitua, odeie, desonre os pais, traia seu cônjuge e muitas outras ordenanças de cunho moral, pois estas mesmas atitudes destroem o próprio homem.
Pessoas com estas práticas deformam seu próprio caráter e na grande maioria das vezes vivem uma existência ruim com um final igualmente ruim.
“Mas aquele que está sendo instruído na palavra faça participante de todas as coisas boas aquele que o instrui. Não vos enganeis: de Deus não se zomba; pois aquilo que o homem semear, isso também ceifará. Porque o que semeia para a sua própria carne da carne colherá corrupção; mas o que semeia para o Espírito do Espírito colherá vida eterna. E não nos cansemos de fazer o bem, porque a seu tempo ceifaremos, se não desfalecermos.( Gálatas 6.6-10 )
Quantos não se matam ou são mortos por causa destes pecados? Ou quantas famílias são destruídas pela mentira infidelidade e outras praticas semelhantes?
Logo este tipo de exigência de Deus é perfeitamente aceitável e necessária para uma perfeita existência na terra.
Outros pecados que afetam a esfera física como roubo, morte corrupção e mais, são as causas da grande degradação e sofrimento das sociedades no geral.
Então será que as exigência e leis de Deus são absurdas para nós? Ele tem nos pedido algo que não podemos realmente fazer? Deus é cruel ao querer nosso bem e que nos afastemos destas coisas?
Mesmo o Deus do Antigo testamento exerce sua autoridade sobre estes princípios.
Por que Deus odeia tanto o pecado?
A Bíblia afirma que Deus ama o pecador e aborrece o pecado este fato já responde as três perguntas mencionadas no tópico anterior, pois vejamos o ponto de vista de Deus sobre isto:
“Desejaria eu, de qualquer maneira, a morte do ímpio? diz o Senhor DEUS; Não desejo antes que se converta dos seus caminhos, e viva?”
“Lançai de vós todas as vossas transgressões com que transgredistes, e fazei-vos um coração novo e um espírito novo; pois, por que razão morreríeis, ó casa de Israel?”
“Porque não tenho prazer na morte do que morre, diz o Senhor DEUS; convertei-vos, pois, e vivei. “(EZEQUIEL 18:23-31,32)
A vontade de Deus é a vida e não a morte. Esta é a razão por Deus odiar tanto o pecado e se posicionar tão radicalmente contra o mesmo.
Deus odeia o pecado por que nos ama. Em nada a mentira atinge a Deus, ou o adultério ou qualquer pecado humano. Deus é inatingível, O nosso pecado não faz diferença nenhuma para Deus. Ele não se enfraquece por causa de pecado ou coisa do tipo. Mas Ele é atingido porque nos ama, o pecado nos destrói, nos mata e isto entristece a Deus e por isso Ele odeia tanto o pecado e se posiciona de forma tão rígida!
Mas por que nossa natureza é pecadora? Por que Deus nos fez assim? E por que agir tão cruelmente a ponto de matar?
Quem disse que nossa natureza é pecadora? Em nenhum momento a Bíblia afirma que fomos criados assim por Deus. A palavra de Deus diz que Ele se entristeceu de ter criado o homem por que o homem se tornou mal em todas as suas obras.
Antes Adão e Eva eram perfeitos em todas as suas obras, mas se deixaram seduzir pelo desejo de pecar desobedecendo a Deus e o pecado nasceu naquele momento quando eles pecaram e foi se multiplicando grandemente. Depois desse evento a Bíblia afirma que já nascemos sob o pecado. Mas isto não quer dizer que somos sujeitos a este e que não temos escolha a não ser pecar.
Deus mata o mundo antigo com um Dilúvio por causa do pecado
E viu o SENHOR que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente.
Então arrependeu-se o SENHOR de haver feito o homem sobre a terra e pesou-lhe em seu coração.
E disse o SENHOR: Destruirei o homem que criei de sobre a face da terra, desde o homem até ao animal, até ao réptil, e até à ave dos céus; porque me arrependo de os haver feito.(Gênesis 6:5-7)
Neste ponto Deus se posiciona de forma muito agressiva contra o pecado. Deus mata uma geração inteira. Até mesmo os animais e erva do campo são destruídas, Por quê?

Porque Deus está passando neste evento uma mensagem. Ele não poderia ter deixado aquela maldade se multiplicar e seguir adiante.

Se aquele mundo era mal em todas as suas obras que mundo teríamos hoje se Deus não o tivesse destruído?
Deus não é como o homem que vê de forma limitada, Ele sabe de todo o potencial do pecado, que o pecado não só pode matar o homem, mas também afastá-lo eternamente Dele.
Alguns dizem: “Mas por que matar as crianças inocentes ou os animais?” “Por que não destruir apenas os maus?”
Embora a Bíblia nos diga que “todos os pensamentos e intenções do homem eram más” mesmo assim não temos como avaliar aquele contexto. Acreditamos que para que Deus chegasse a tomar tal atitude a ponto de seu coração pesar por ter criado o homem a situação era realmente terrível!
Logo quando Deus destrói aquela geração inteira, ele está destruindo por causa do pecado. Deus estava sacrificando alguns por pensar em todos os outros que ainda nasceriam, e isto inclui a nós que temos aquele tempo como testemunho! Deus matou aquela geração para que aquele evento fosse lembrado e o homem que tem livre arbítrio enxergasse e não pecasse mais.
Não pensemos que isto não doeu no coração de Deus, mas assim como Ele teve que matar o cordeiro para proteger o corpo de Adão e para que este não estivesse nu, desprotegido agora que não era mais como antes. Também Deus destruiu aquele mundo para construir um mundo novo e dar uma nova chance ao homem de recomeçar sua história e desta vez sem a maldade e o pecado.
Mas alguns afirmam: “Deus matou homens e mulheres inocentes!”
Na verdade não! Aquela geração não era inocente. Noé provavelmente pregou durante 120 anos sobre o dilúvio, sobre Deus e sobre a arca, mas aparentemente ninguém se arrependeu preferiram o pecado. Tiveram tempo para se arrependerem e mudarem, mas não o fizeram.
 “[Deus] não poupou o mundo antigo, mas preservou a Noé, pregador da justiça, e mais sete pessoas, quando fez vir o dilúvio sobre o mundo de ímpios”.( 2 Pedro 2. 5)
“ [Deus] não perdoou ao mundo antigo, mas guardou a Noé, pregador da justiça, com mais sete pessoas, ao trazer o dilúvio sobre o mundo dos ímpios; e condenou à subversão as cidades de Sodoma e Gomorra, reduzindo-as a cinza e pondo-as para exemplo aos que vivessem impiamente; e livrou o justo Ló, enfadado da vida dissoluta dos homens abomináveis (porque este justo, habitando entre eles, afligia todos os dias a sua alma justa, pelo que via e ouvia sobre as suas obras injustas).( 2 Pedro 2: 5-8 )
Deus mata porque ele é justo!
Algumas pessoas costumam questionar a bondade e o amor de Deus usando afirmações como esta que é o titulo deste artigo: “Se Deus é amor então porque Ele mata?” Mencionam varias passagens onde Deus mandou dizimar cidades como são os casos dos Amalequitas, Filisteus, Amonitas, Egípcios etc.
Imaginemos que um assassino entre em sua casa e mate toda a sua família enquanto eles dormem.

Este assassino é capturado e levado a um júri popular, um juiz é responsabilizado de julgar o caso e mesmo com todas as evidências condenando o assassino e o júri julgar por punição. O juiz então se levanta e profere a seguinte sentença:

“Sei que este homem matou uma família inteira e que nem mesmo se arrependeu. Sei que o júri o julga como culpado, mas eu vou solta-lo, mesmo sendo culpado!”
Qual seria sua reação mediante a esta atitude? Você diria que este juiz é justo e fez justiça a sua causa?
É óbvio que não!
Deus não pode deixar que nada fique impune. Impunidade não está no vocabulário de Deus, Ele é um juiz justo..
Então porque Deus perdoou assassinos, ladrões e malfeitores enquanto mandou destruir nações inteiras?
Deus perdoa quando há arrependimento, e somente Ele pode discernir se tal arrependimento é verdadeiro. Neste caso a justiça de Deus é bem mais eficiente do que a justiça dos homens pois consegue saber quando um homem realmente se contristou com seus próprios atos e que se tivesse a chance não faria novamente a mesma coisa. Além do mais nada que o homem faça fica sem juízo, o perdão de pecados é para a salvação da alma e não livra o homem de colher as conseqüências e responsabilidades de seu pecado.
Muitos homens de Deus quando pecaram foram severamente punidos como é o caso de Davi um homem que era segundo o coração de Deus, Moisés, Pedro e outros. Todos tiveram que encarar as conseqüências de seus atos em vida. É por isso que Deus registra os erros de muitos de seus heróis, para mostrar sua justiça até com os que Ele ama.
No que se refere aquelas nações que Deus mandou destruir por completo, elas eram verdadeiras amantes do pecado. Não eram “santinhas” como as pessoas e ateus tentam figurar. Ao contrario. Eram povos sádicos, cruéis e tinham uma historia de pecados terríveis.
A destruição dos Egípcios
Os egípcios cultuavam inúmeros deuses aos quais eles lhes ofereciam cultos de fertilidade onde a promiscuidade e prostituição era o auge de suas reuniões religiosas, praticavam sacrifícios de seres humanos além de recém nascidos também. Matavam as esposas e os cervos e assessores dos faraós para que estes os servissem na eternidade.
No séc. 20 pesquisadores comprovaram que o método usado nessa época era um corte muito profundo na garganta da vítima e que chegaram a deixar marcas nas vértebras, encontradas nos restos mortais séculos depois. Os egípcios acreditavam que para este ritual as lâminas deveriam ser de cobre ou bronze, pois isto ajudava as almas a alcançarem o paraíso. Outro método teria sido o estrangulamento, tão brutal quanto à degola. Isto pôde ser constatado pelo exame dos dentes dos restos das vítimas, os quais apresentavam manchas na dentina – uma vez que esta forma de execução arrebenta os vasos sanguíneos dos dentes.
Os Egípcios mantiveram o povo de Israel em escravidão durante 400 anos de forma opressora de maneira que até as crianças que nasciam aos Hebreus eram sacrificadas como animais.
Depois de todo este sofrimento e da paciência de Deus Ele finalmente resolve libertar o povo da escravidão e o faz de forma que aquele acontecimento ficasse gravado na história e o Egito que era a mais poderosa nação na época seria o exemplo.
Deus mandou as 10 pragas e cada uma teve um grande significado, pois zombava e humilhava vários deuses que aquele povo adorava e mostrava que somente Ele era o verdadeiro Deus. Sobre isto falaremos em outro artigo.
Isto não quer dizer que os egípcios não tiveram oportunidade de arrependimento. Ao contrário! Eles tiveram 400 anos para conhecer o Deus de Israel e mesmo assim o rejeitaram. Embora a própria Bíblia mencione que alguns fugiram do Egito e possivelmente dando credito as pragas que ocorreram.
Êxodo 12:38 afirma que ”subiu também com eles [os filhos de Israel] um misto de gente”.
Os deuses das outras nações eram na verdade demônios. A forma de adoração a estas deidades era completamente diferentes da adoração ao Deus de Israel. Ele não exigia sacrifícios humanos. Mesmo o pedido a Abraão de sacrificar o seu filho Izaque era somente uma prova da fé deste, já que ele viveu durante os tempos de grande ocultismo e proliferação dos cultos espúrios do rei Ninrode que inseriu a prostituição cultual como forma de adoração e subjugou inúmeros povos impondo-lhes estes costumes. Esta foi uma época onde a rebelião lançada por este homem possuiu toda a terra dando origem a inúmeros cultos a deidades que ainda existem até hoje ás quais dentre muitas praticas de adoração se praticava o sacrifício de crianças.
Porquanto me deixaram, profanaram este lugar e nele queimaram incenso a outros deuses, que nunca conheceram, nem eles, nem seus pais, nem os reis de Judá; e encheram este lugar de sangue de inocentes.  Porque edificaram os altares de BAAL para queimarem seus filhos em holocausto a BAAL; o que nunca lhes ordenei, nem falei, nem subiu ao meu coração. (Jeremias 19: 4 e 5.)
Deus provava a Abraão dentro do mesmo contexto em que ele vivia. Mesmo assim não permitiu que este sacrificasse a seu filho.
A destruição dos Amalequitas
Uma das mais questionadas ordens de matança contidas na Bíblia ocorre quando Deus ordena a destruição dos Amalequitas.
Este texto como alguns outros é um deleite para os inimigos de Deus! Nele os ateus e céticos acreditam expor Deus como tirano, sádico e cruel, por mandar matar todos os Amalequitas incluindo as crianças de peito, animais e todo o resto. Nada deveria sobrar da memória de Amaleque.
“Assim diz o SENHOR dos Exércitos: Castigarei a Amaleque pelo que fez a Israel… Vai, pois, agora e fere a Amaleque, destrói totalmente a tudo o que tiver; nada lhe poupes, porém matarás homem e mulher, meninos e crianças de peito, bois e ovelhas, camelos e jumentos… Então feriu Saul os amalequitas… Tomou vivo a Agague, rei dos amalequitas; porém a todo povo destruiu ao fio da espada.” (1 Samuel 15:2,3,7,8close1 Samuel 15:2 Thus says the Lord of hosts, ‘I have noted what Amalek did to Israel in opposing them on the way when they came up out of Egypt. 1 Samuel 15:3 Now go and strike Amalek and devote to destruction all that they have. Do not spare them, but kill both man and woman, child and infant, ox and sheep, camel and donkey.’” 1 Samuel 15:7 And Saul defeated the Amalekites from Havilah as far as Shur, which is east of Egypt. 1 Samuel 15:8 And he took Agag the king of the Amalekites alive and devoted to destruction all the people with the edge of the sword. (ESV) close1 Samuel 15:2close1 Samuel 15:2 Thus says the Lord of hosts, ‘I have noted what Amalek did to Israel in opposing them on the way when they came up out of Egypt. (ESV) Thus says the Lord of hosts, ‘I have noted what Amalek did to Israel in opposing them on the way when they came up out of Egypt. 1 Samuel 15:3close1 Samuel 15:3 Now go and strike Amalek and devote to destruction all that they have. Do not spare them, but kill both man and woman, child and infant, ox and sheep, camel and donkey.’” (ESV) Now go and strike Amalek and devote to destruction all that they have. Do not spare them, but kill both man and woman, child and infant, ox and sheep, camel and donkey.’” 1 Samuel 15:7close1 Samuel 15:7 And Saul defeated the Amalekites from Havilah as far as Shur, which is east of Egypt. (ESV) And Saul defeated the Amalekites from Havilah as far as Shur, which is east of Egypt. 1 Samuel 15:8close1 Samuel 15:8 And he took Agag the king of the Amalekites alive and devoted to destruction all the people with the edge of the sword. (ESV) And he took Agag the king of the Amalekites alive and devoted to destruction all the people with the edge of the sword. (ESV) )
Para que possamos entender esta postura de Deus em relação a este povo em questão precisamos ser informados de quem eram os Amalequitas.
Amaleque era filho do primogênito de Esaú, Elifaz, com sua concubina Timna. (Gên 36:12, 16) Este deu origem aos Amalequitas.

O povo Amalequita era rodeado de costumes reprováveis. Adorava a Moloque, deidade que tinha como sua principal forma de culto o sacrifício de crianças que eram jogadas dentro de um grande ídolo representando este falso deus, onde uma fornalha acesa no ventre da imagem queimava a criança ainda viva.

A principal ocupação dos Amalequitas era a pilhagem, saque furto, estupro e assassinato, onde por diversas vezes durante o êxodo do povo de Israel atacaram os mais atrasados e fracos roubando-lhes os bens.
Os Amalequitas foram um dos primeiros povos a investirem contra o povo de Israel sem que este lhes fizesse nada. Após o êxodo eles atacaram os Israelitas nas proximidades do monte Sinai. (Núm 24:20; Êx 17:8-16; De 25:17-19).
No ano seguinte quando os Israelitas tentavam entrar na terra prometida por Deus foram expulsos pelos Amalequitas. (Núm 14:41-45)
Na época dos juízes estes mesmos adversários por duas vezes atacaram Israel e também nos dias de Eglom, rei de Moabe.(Jz 3:12, 13) De novo, junto com os midianitas e os orientais, saquearam a terra de Israel por sete anos, antes de Gideão e seus 300 homens lhes imporem uma esmagadora derrota.(Jz 6:1-3, 33; 7:12; 10:12).
Dadas estas explicações quem é o tirano agora? Até quando Deus poderia permitir que este povo possuído de cruel desejo continuasse a atormentar e dizimar a Israel? Deus seria justo se permitisse este constante sofrimento por parte daqueles que o adoravam e o serviam como único Deus?
Temos certeza que se Deus não tivesse tomado uma atitude, hoje estes versículos estariam sendo usados pelos ateus e céticos da mesma forma para criticar Deus já que Ele abandonara aqueles que o adoravam.
Os Amalequitas não eram inocentes, mas uma nação sanguinária inimiga feroz. A Bíblia chama a atitude de Deus de” justiça contra Amaleque” pois a destruição deste povo era a libertação da opressão que constantemente matava e oprimia os filhos de Deus.
Se Deus não tivesse dizimado este povo certamente eles teriam destruído os Israelitas.
Mas e as crianças? Deus não as poderia ter poupado?
Quero lembrar que o intuito deste artigo não é justificar as atitudes de Deus. Certamente Deus poderia ter poupado as crianças se quisesse, mas é importante lembrar que Ele é soberano sobre a vida e tem direito de tomá-la quando quiser. (Dt 32:39; Jó 1:21). Além do mais sabemos pela Palavra de Deus que as mesmas crianças por não terem pecados foram salvas, pois assim nos indicam as Escrituras que das tais é o reino dos céus.
O que entendemos por esta atitude era que Deus pretendia apagar completamente a memória de Amaleque não deixando a ele descendência. Este foi o motivo por ter matado as crianças. Aquele povo por causa de seus pecados deviria ser esquecido e tido como exemplo.
De igual modo as outras nações precisavam ver e temer os Israelitas a fim de que o projeto de Deus para aquele povo pudesse ser realizado.
Era assim que aquele mundo e aquele período da historia funcionava. Deus estava agindo de acordo com o contexto humano do qual falta-nos tempo para discutirmos neste artigo.
Em muitos outros momentos a Bíblia narra situações onde Deus permitiu a morte de pessoas e nações desobedientes e isto não era tirania mas o livre arbítrio em ação. Os mesmos estavam conscientes que se pecassem morreriam.
As pessoas morrem por livre arbítrio. Isto não é culpa de Deus!
Para terminarmos este estudo gostaríamos de comentar um pouco sobre o “livre arbítrio.” Este é o direito de escolha que todo o homem possui.
O livre arbítrio é outro ponto polêmico atacado por alguns e sinceramente não consigo entender por que!

Não pretendemos nos estender muito sobre este tema, pois seria necessário um artigo totalmente dedicado para fazermos isto.

No entanto. Faz-se necessário mencionar que esta liberdade de escolha é criticada por muitos ateus e céticos quando afirmam que ela é apenas uma ilusão. Pois dizem não existir livre arbítrio já que se não obedecermos ao que está determinado por Deus morreremos e iremos para o inferno.
Mas por que isto não é verdade?
Ora! Deus deu ao homem o direito de escolher e projetar seu caminho, mas o avisou que dependendo de suas escolhas sofreria as conseqüências tanto para o bem como para o mal. Isto é tão lógico que até uma criança seria capaz de entender. Esta regra se aplica a tudo em nossas vidas.
Deus, no entanto nos dá a oportunidade de morar no céu e viver eternamente com Ele, mas se o desobedecermos e escolhermos outro caminho iremos passar a eternidade no inferno.
“Os céus e a terra tomo, hoje, por testemunhas contra ti, que te propus a vida e a morte, a bênção e a maldição; escolhe, pois, a vida, para que vivas, tu e a tua descendência”.  Deuteronômio 30.19
Isto não é crueldade! Deus não criou o inferno para o homem, mas para o Diabo e seus anjos. A vontade de Deus não é que o homem vá para lá. Seria crueldade se não tivéssemos escolha o que não é o caso.
Mas isto não torna o livre arbítrio uma ilusão, pois me obriga a escolher por Deus?
Não necessariamente. Pois o fato de existir o livre arbítrio não quer dizer que Deus não poderá ter suas regras. Ou seja, Deus ainda decide quem vai morar em sua casa, pois a casa é Dele.
Você caro leitor deixaria um mentiroso, bêbado, assassino morar na sua casa só porque ele tem direito de escolher morar lá? É óbvio que não! Logo o homem pode andar para onde quiser, seguir quem ele quiser, mas para andar com Deus tem que segui-lo da maneira Dele.
Deus não é obrigado a aceitar qualquer pessoa só porque esta tem direito de escolha. Ele espera que o amemos, tenhamos intimidade com Ele e o conheçamos.
O Senhor deseja um relacionamento e não um contrato moral.
“Eu amo os que me amam; os que me procuram me acham.” (Provérbios 8:17)
Tal atitude não deveria nos espantar já que fomos feitos a sua imagem e semelhança.
Todos os nossos sentimentos foram criados por Deus. Ele se ira, sente tristeza, revolta, mas também ama perdoa e demonstra seu amor para conosco todos os dias.
Aqueles que criticam o livre arbítrio querem tirar a personalidade de Deus. Querem que Ele seja um ser que não tem personalidade que deve aceitar a todos só por que leram em algum versículo que Ele é amor. Mas se esquecem que Ele também é justo juiz e se rege por inúmeros outros sentimentos e atributos além do amor.
“Não quero um Deus que me sirva, mas que eu possa servi-lo! Não quero um Deus que somente me abrace, mas que me corrija e me faça crescer! Quero um Deus que seja bem maior em personalidade do que eu mesmo, pois como poderia crer que sou imagem e semelhança de um ser sem personalidade ou vontade própria?”
Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna. (João 3:16)
Fonte: Opesquisadorcristão

Comments are closed.